JUSTIFICAÇÃO


TEOLOGIA SISTEMÁTICA
DOUTRINA DA SALVAÇÃO

JUSTIFICAÇÃO

I. A Natureza da Justificação

         “A palavra ‘justificar’ é termo judicial que significa absolver, declarar justo, ou pronunciar sentença de aceitação. A ilustração procede das relações legais. O réu está perante Deus, o justo juiz; mas. ao invés de receber sentença condenatória, ele recebe a sentença de absolvição.

         O substantivo ‘justificação’ ou ‘justiça’ significa o estado de aceitação para o qual se entra pela fé. Essa aceitação é dom gratuito de parte de Deus, posto à nossa disposição pela fé em Cristo Jesus. (Rm 1.17; 3.221,22). É o estado de aceitação no qual o crente permanece (Rm 5.2). Apesar de seu passado pecaminoso e de imperfeição no presente, o crente goza de completa e segura posição para com Deus. “Justificação” é o veredito divino e ninguém o poderá contradizer (Rm 8.34)”.

         Outras definições de justificação:  “Justificação é um ato da livre graça de Deus pelo qual ele perdoa todos os nossos pecados e nos aceita como justos aos seus olhos somente por nos ser imputada a justiça de Cristo, que se recebe pela fé”.

         “Justificar um pecador é considerá-lo relativamente justo. É tratá-lo como se assim o fosse, sem fazer caso da falta de retidão anterior, absolvendo-o, libertando-o e pondo-o acima dos vários castigos  penais e, especialmente, da ira de Deus e do perigo da morte eterna que merecia pela sua vida injusta passada. É aceitá-lo como se fosse justo e admiti-lo ao estado, aos privilégios e às recompensar da injustiça”.

         “A justificação é aquele ato gracioso e judicial de Deus, pelo qual Ele concede perdão de toda a culpa, a remissão completa da pena pelos pecados cometidos e a aceitação como justos a todos que crêem em Jesus Cristo e o recebem como Senhor e Salvador.”

         “Justificação é primeiramente uma mudança de posição da parte do pecador, o qual antes era condenado; agora, porém, goza de absolvição. Antes estava sob a condenação, mas agora participa da divina aprovação”. Jo 3.18,36; Rm 5.9.

II. Os Alvos da Justificação

         “A justificação começa com o presente do crente; e se estende em duas direções: o passado e o futuro. Trata do pecado e da culpa de ambos, judicialmente, e estabelece o crente como eternamente justo na presença de Deus”.

  • A remissão do pecado, incluindo a remoção de sua culpa e penalidade. (At 13.38,39; Rm 8.1,33,34; Mq 7.18,19).
  • A atribuição da retidão de Cristo e a restauração ao favor de Deus. II Co 5.21; Fl 3.9; Tg 2.23; Rm 3.21,22.

III. O Método de Justificação

         “Já nos dias de Jó encontramos, o homem fazendo a seguinte pergunta: ‘Como, pois seria justo o homem perante Deus, e como seria puro aquele que nasce de mulher?” (Jo 25.4). O Salmista roga ao Senhor e diz: “Não entres em juízo com o teu servo, porque à tua vista não há justo nenhum vivente” (Salmo 143.2). Felizmente, aqueles que buscavam a Deus no Velho Testamento não precisaram esperar até Paulo nascer para encontrarem a resposta à sua pergunta. Paulo nos lembra que Abraão foi justificado pela fé quatorze anos antes de ser circuncidado. (Rm 4.1-5, 9-12; Gn 15.5,6; 16.15,16; 17. 23-26 ), e que Deus se regozijou com o fato de uma justiça imputada ( Rm 4.6-8 ). Em outras palavras, a doutrina  da justificação no Novo Testamento não é uma inovação. É uma verdade que já era  conhecida nos dias do Velho Testamento, e a justiça era obtida naqueles dias do mesmo modo que na dispensação do Novo Testamento.

  1. Não é pelas obras da Lei: Rm 3.20; Gl 2.16; Rm 4.2-7; Gl 5.4. “A lei não foi dada para salvar ou justificar quem quer que seja, mas para pôr ponto final nos argumentos e mostrar que todos são culpados (Rm 3.19); para dar conhecimento do pecado (Rm 3.20; 7.7); para mostrar a excessiva pecaminosidade do pecado (Rm 7.13); para conduzir o pecador a Jesus (Gl 3.24). No tribunal de Deus nenhum homem pode ser considerado justo a seus olhos pela obediência à Lei. Nenhum homem pode prestar perfeita e perpétua obediência, pelo que a justificação pela obediência à lei é impossível (Gl 3.10; Tg 2,10; Rm 3.23). A epístola aos Romanos apresenta esta grande verdade. Como meio de estabelecer corretas relações com Deus, a lei é totalmente insuficiente. A única coisa que a lei pode fazer é fechar a boca de todo homem e declará-lo culpado perante Deus. Trata-se de uma questão de Moisés ou Cristo, as obras ou a fé, a lei ou a promessa, fazer ou confiar, salário ou dom gratuito”. Evans.
  2. Não pelo caráter moral. I Co 4.4; Lc 16.15; Ef 2.8-9.
  3. É pela Graça de Deus. Rm 3.24; Tt 3.5-7.
  4. É pelo sangue de Cristo. Rm 3.24; 5.9; Hb 9.22.
  5. É pela ressurreição de Cristo. Rm 4.25.

       “Os homens são justificados declarativamente ou manifestamente através da ressurreição de Cristo. Jesus ressuscitou por causa da nossa justificação, isto é, a ressurreição de Cristo mostra o valor justificador de sua morte como base de nossa justificação.”

         “Cristo no calvário satisfez a penalidade exigida, deu-se como equivalente, e assim, pagou o equivalente à quantia exigida; mas Deus pelo fato de ressuscitar Cristo de entre os mortos, deu a sua assinatura ao recibo da conta paga, pelo que não apenas a nossa dívida está paga mas está quitada, pois está quitada por aquele que fez a justa exigência”. Mackay.

       6. É pela fé. Rm 5.1; 4.5; 3.26; 10.10; At 13.39; Gl 2.16.

       7. É evidenciada através das obras. Tg 2.14,24; Ef 2.8-10.

         “Não devemos desprezar as boas obras, que tem seu próprio lugar; e seu lugar não precede a justificação, mas antes, segue-a. A fé que justifica é uma fé real que conduz à ação que é de conformidade com a verdade crida. Somos justificados pela fé, sem as obras. O homem que trabalha para conseguir a salvação não é o homem justificado, mas o homem justificado é o homem que trabalha. A árvore demonstra sua vida por meio de seus frutos, mas já estava viva antes que os frutos ou mesmo as folhas tivessem aparecidos”. Bancroft.

         “Não há contradição entre Paulo e Tiago no que concerne à questão de fé e das obras. Paulo considerou a questão do ponto de vista de Deus, e assevera que somos justificados, aos olhos de Deus, meritoriamente, sem quaisquer obras de nossa parte. Tiago considera o assunto do ponto de vista do homem, e assevera que somos justificados, à vista do homem, evidentemente, pelas obras, e não exclusivamente, pela fé. Em Tiago a questão em foco não é a base da justificação, como é o caso dos escritos de Paulo, mas sem, o que está em foco é a sua demonstração”. EVANS.

         “Imagina-se que haja contradição entre os ensinos de Paulo e de Tiago. O primeiro, aparentemente, teria ensinado que a pessoas é justificada pela fé, o último que ela é justificada pelas obras. (Vide Rm 3.20 e Tg 2.14-16), contudo, uma compreensão do sentido em que eles empregarem os termos, rapidamente fará desvanecer a suposta dificuldade. Paulo está recomendando uma fé viva que confia somente no Senhor; Tiago está denunciando uma fé morta e formal que representa, apenas, um consentimento formal. Paulo está  rejeitando as obras mortas de lei, ou obras sem fé; Tiago está louvando as obras vivas que demonstram a vitalidade da fé. A justificação mencionada por Paulo refere-se ao início da vida cristã; Tiago usa a palavra com o significado de vida de obediência e santidade como evidência exterior da salvação. Paulo está combatendo o legalismo, ou a confiança nas obras como meio de salvação; Tiago está combatendo o antinomianismo, ou seja, o ensino de que não importa qual seja a conduta da pessoa uma vez que creia. Paulo e Tiago não são soldados lutando entre si; são soldados na mesma linha de combate, cada qual enfrentando inimigos que os atacam de direções apostas”. Myer  Pearmen.

         Pensamento conclusivo: O homem é justificado não por seu caráter ou sua conduta, mas pela graça de Deus como ato judicial na base da redenção de Cristo, conforme demonstrado por sua ressurreição; e é apropriada a justificação pela fé e manifestada pelas obras”. Bancroft.

IV. Os Resultados da Justificação

  1. Absolvição de todo ato pecaminoso. Rm 8.1, 33,34; 5.9.
  2. Paz com Deus. Rm 5.1; Ef 2.14-17.
  3. Há a imputação da justiça de Cristo. Rm 4.5; II Co 5.21; I Co 1.30.
  4. Certeza da glorificação futura. Tt 3.7; Rm 8.30; Mt 13.43; Gl 5.5.

 

 

                           Pr Francisco Nascimento

 

Obs: Esse é um trabalho de pesquisa que aglutina os melhores pensadores em Teologia Sistemática. Faça bom proveito.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s