REGENERAÇÃO


Teologia Sistemática
DOUTRINA DA SALVAÇÃO

REGENERAÇÃO

A. A Natureza da Regeneração

         A regeneração é um ato divino que concede ao penitente que crê uma vida nova mais elevada mediante união pessoa com Cristo.

         “O termo regeneração tal como é usado nas Sagradas Escrituras significa literalmente: ‘ser outra vez‘,  ‘renascimento‘. Portanto, deve entender-se como uma reprodução ou restauração. O termo é por regra aplicado à transformação moral que se retrata nas seguintes expressões bíblicas: nascer de novo (Jo 3.3.,5,7);  nascido de Deus (Jo 1.13; I Jo 3.9; 4.7; 5.1,4,18); nascido do espírito (Jo 3.5,6); vivificado (Ef 2.1,5); passagem do estado de morte para a vida (Jo 5.24; I Jo 5:11-13; Cl 2.13); nova criação (I Co 2.11-13). A essência da regeneração é uma nova vida concedida por Deus Pai, mediante Jesus Cristo; quando é renovado com a imagem de Deus em justiça e verdadeira santidade”. (Wesley, sermão sobre o novo nascimento).

B. A Necessidade de Regeneração

         Se faz necessário por várias razões:

  1. Se faz necessária para a entrada na família de Deus. Jo 1.12,13.

         “O acesso a família de Deus consegue-se da mesma forma pela qual é obtido acesso à famílias humana, a saber, por geração ou nascimento. Em um caso e no outro, tem de haver comunicação de vida e natureza. No caso dos filhos de Deus, trata-se da comunicação da vida eterna e da natureza divina”. Bancroft.

  1. Se faz necessária para a entrada no reino dos céus. Jo 3.3-5.

         “A regeneração ou novo nascimento  é a porta de entrada ao reino de Deus. Para quem não tiver esta experiência, a porta há de permanecer inevitavelmente cerrada, e o homem inexoravelmente separado de Deus”.

         “Cristo salientou a importância dessa doutrina, nas palavras que usou na notável entrevista com Nicodemos. Cada vez que ele declarou a condição, empregou a expressão enfática:” Em verdade, em verdade…”. Desse modo, Jesus mostrou que o novo nascimento não é uma questão facultativa e sim absolutamente obrigatória”. Bancroft.

         “A regeneração é importantíssima. Determina a linha de separação entre a vida eterna e a morte eterna, entre a filiação eterna e a separação eterna”.

  1. Por causa do estado de morte do homem pecador. Ef 2.1; I Tm 5.6.

         Pensamento: “Por natureza os homens são ‘filhos da ira’ (Ef 2.3); ‘filhos da desobediência (Ef 2.2). Esta última expressão é usada especialmente para os que rejeitam a Cristo, em  Jo 8.44. Somente o novo nascimento pode produzir uma natureza santa dentro dos pecadores de modo a tornar possível a comunhão com Deus”.

C.  Erros Concernentes a Regeneração.

       a) A regeneração não é o batismo com água. (At 11:12:14; 10:44-48).

         “O batismo é o sinal exterior de uma graça interior e, por isso mesmo, não pode ser considerado como regeneração. Pedro diz-nos que o batismo não é remoção da imundícia da carne, mas a indagação de uma boa consciência para com Deus (I Pe 3:21); e esta boa consciência não pode ser obtida sem a renovação espiritual interior”.

         É evidente que o ensino por parte da Igreja Romana com respeito a regeneração batismal não tem vazão na correta interpretação da Bíblia.

         “Encontramos em diversas partes do Novo Testamento, a regeneração ligada ao batismo, mas, em todas elas, podemos ver que a realidade jamais confundiu como símbolo. O batismo simboliza, mas não opera regeneração. O batismo é o sinal exterior de transformação realizada pelo E. S. na alma do homem. O batismo é o símbolo do começo da salvação. O batismo é um ato feito a “nós”, enquanto a regeneração é um ato feito em nós. (Langston)

         “Aqueles que ensinam a regeneração interpretam Jo 3:15; Tt 3:5; como passagens que fornecem base para acreditar-se que a regeneração só tem lugar em conexão com o batismo. Mas, qualquer que seja a interpretação dada a essas passagens, o que é certo é que não sustentam essa doutrina. Alguns interpretam-nas figuradamente, à luz de Ef 5:26, que diz “… para que a santifique… por meio de lavagem de água pela palavra…” Se o batismo e a regeneração fossem idênticos, então a linguagem de Paulo na passagem acima citada seria incoerente e contraditória. ” (Bancroft)

         …”O batismo simboliza a regeneração, mas jamais a produz, a verdadeira significação do batismo é moral e espiritual. É a resposta de uma boa consciência para com Deus. Aqui, a verdade é claramente diferenciada do símbolo. E o símbolo tem valor tão somente como espelho que reflete a verdade”. (Mullins)

         O batismo não salva. Ilust. O ladrão na cruz (Lc 23:42,43); Zaquel (Lc 19:9); Cornélio (At. 10:47); os doze discípulos em Éfeso. (19:3-5).

        b) Não é reforma – não é um passo externo, não é um passo natural para a frente, nem mera reversão da atitude moral e mental.

D, Os Meios de Regeneração

         A Escritura apresenta a regeneração como a obra de Deus. Mas há numerosos meios e agências envolvidos na experiência, que faremos bem em notar:

  1. Pela vontade de Deus Tg 1.18; Jo 1.13.

         “Os homens nascem de novo quando gerados por Deus. A soberania de Deus, nesse caso, se interpõe. Algo é infundido. Na salvação de casa pessoa há uma autêntica operação do poder divino, mediante a qual o pecador morto é revivificado; o pecador indisposto é tornado disposto; o pecador recalcitrante e obstinado tem a consciência abrandada, e aquele que anteriormente rejeitava a Deus e desprezava o oferecimento do evangelho é levado a lançar-se aos pés de Jesus”. Bishop.

        2. Pela Palavra de Deus recebida e crida. Tg 1.18; I Pe 1.23; I Co 4.15.

        3. Pela fé em Cristo Jesus. Jo 1.12; Gl 3.26; I Jo 5.1.

        4. Pela operação do Espírito Santo. Jo 3.5,6; Tt 3.5.

E. Os Resultados da Regeneração

  1. Mudança radical na vida e no comportamento. II Co 5.17.
  2. Vitória sobre as tentações. I Jo 3.9; 5.4,18.
  3. Uma fé viva em Cristo. I Jo 5.1.
  4. Não vive mais na prática do pecado. I Jo 3.4,9.
  5. Prática da justiça no cotidiano. I Jo 2.29.
  6. Amor pelo próximo. I Jo 3.14.
  7. Tornam-se herdeiros de Deus. Rm 8.16,17; Ef 1.13,14.
  8. Quebra do predomínio da carne (tendência para o pecado). Rm 6.11,12,14,22.

 

 

                                                                      Pr Francisco Nascimento

 

Obs: Esse é um trabalho de pesquisa que aglutina os melhores pensadores sobre as doutrinas de Teologia Sistemática

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s