ARREPENDIMENTO, FÉ E CONVERSÃO


TEOLOGIA SISTEMÁTICA
DOUTRINA DA SALVAÇÃO

ARREPENDIMENTO, FÉ E CONVERSÃO

 

 

ARREPENDIMENTO

          A. A Importância do Arrependimento

         “A importância do arrependimento não é reconhecida em nossos dias como deveria ser. Os evangelistas apelam aos não salvos para aceitarem a Cristo e crerem, sem mostrar ao pecador que está perdido e carece de um salvador. Mas as mensagens dos profetas do Antigo Testamento (Dt 30.10; I Rs 17:13; Jr 8.6; Ez 14.6; 18.30). Foi o ponto alto da pregação de João Batista (Mt 3.2; Mc 1.15), de Cristo (Mt 4.17; Lc 13.3,5), dos apóstolos (Mc 6.12), de Pedro (At. 2.38; 3.19), de Paulo (At 20,21; 26.20). O arrependimento é algo em que todo o céu está supremamente interessado (Lc. 24.46;15.7,10). É o fundamento dos fundamentos (Hb 6.1; Mt 21.32), porque é uma condição absoluta para a salvação (Lc 13.2-5). “Palestras de Teol. Sist. Pr. Henry C. Thiensen, pág. 252.

         B. Seu Significado

         O dicionário comum define arrependimento como sendo uma sincera e completa mudança de mente de disposição em relação ao pecado, envolvendo um senso de culpa e desamparo, a previsão da misericórdia de Deus, um forte desejo de escapar ou ser salvo do pecado, e abandono voluntário dele.

         “O arrependimento é uma mudança de pensamento ou do ponto de vista no tocante à nossa obrigação para com a vontade e a palavra de Deus”. (Mt 21.30; Lc 15.17,18; 18.13).

         A palavra traduzida aqui “arrependimento” significa mudança de pensamento, de propósito, isto é, do ponto de vista referente à matéria; significa possuir outra atitude mental a respeito de algo; é uma revolução de pensamento a respeito de nossos pontos de vista e atitudes. Pedro exortou aos judeus a mudarem de pensamento e de pontos de vista a respeito de Cristo, e a expressarem essa mudança recebendo o batismo. (At 2.36-40).

         Alguém definiu o arrependimento das seguintes maneiras: “a verdadeira tristeza sobre o pecado”, “convicção da culpa produzida pelo Espírito Santo ao aplicar a lei divina ao coração; ou, nas palavras de menino: “sentir tristeza ao ponto de deixar o pecado”.

         Há três elementos que constituem o arrependimento segundo as escrituras: intelectual, emocional e prático. Podemos ilustrá-los da seguinte maneira: 1 – O viajante que descobre que está viajando em trem errado. Esse conhecimento corresponde ao elemento intelectual pelo qual a pessoa compreende mediante a pregação da palavra, que não está em harmonia com Deus. 2 – O viajante fica perturbado com a descoberta, talvez alimente certos receios. Isto ilustra o lado emocional do arrependimento, que é a auto acusação e tristeza por ter ofendido a Deus. (II Co 7.10). 3 – Na primeira oportunidade o viajante deixa esse trem e embarca no trem certo. Isto ilustra o lado prático do arrependimento, que significa em “meia volta….volver!”. E marchar em direção a Deus. Há uma palavra grega traduzida por “arrependimento” (metanóia), literalmente: mudar de idéia ou de propósito. O pecador arrependido se propõe mudar de vida e voltar-se para Deus; o resultado prático é que ele produz frutos dignos de arrependimento.    (Mt 3.8). Por Myer Pearmen. Conhecendo as Doutrinas Bíblicas, pág. 146.

         Algumas atitudes norteiam ao coração arrependido que demonstra a sua sinceridade:

  1. Convicção de pecados. Gn 42.21; Sl 38.4;51.4.
  2. Ódio ao pecado. Ez 6:9,10.
  3. Tristeza por causa do pecado. II Co 7.9; Mt 26.75; Sl 38.18.
  4. Renúncia ao pecado. Jó 34.32; Is 55.7; Pv 28.13; Ez 18.30,31.
  5. Confissão de pecado. Lc 15.21; Sl 32.3-5;38.18; Lc 18.13.
  6. Desejo de perdão. Sl 21.1;51.1.
  7. Disposição para restituir. Lc 19.8; Nm 5.7.

     C. Os Meios de Arrependimento

      1. Pelo lado  divino: é  outorgado  por  Deus. At 11.18; II Tm 2.24,25; At 5.30,31;3.26.

         Pensamento: “arrependimento não é algo que o homem pode originar dentro de si mesmo, ou por produzir por si mesmo. É dom divino, resultado da graciosa operação de Deus na alma do homem, devido a qual se dispõe s essa mudança; Deus é quem concede o arrependimento”.

         Como então é o homem responsável por não tê-lo?  Somos chamados a arrepender-nos para que possamos sentir nossa própria incapacidade de fazer isso, e consequentemente sermos jogados para Deus e pedirmos a Ele que execute esta obra de graça em nossos corações.”

     2. Pelo lado humano: há alguns geradores de arrependimento

  • Por meio do ministério da palavra. II Tm 2.24,25; At 2.37-41;26.19,20.
  • Por meio da benignidade de Deus. Rm 2.4; Ef 4.32.
  • Por meio de repreensão e castigo. Ap 3.19; Hb 12.6,10-11.
  • Por meio da tristeza segundo Deus. II Co 7.8-10.
  • Por meio da percepção da santidade de Deus. Jó 42.2,5.

      D. Os Resultados ( benéficos ) do Arrependimento

  • Alegria. Lc 15.7-10.
  • Perdão. Is 55.7.
  • Percepção do Espírito Santo. At 2.38; Ef 1.13.

         Pensamento: “Arrependimento não é a mesma coisa que remorso. O remorso é um beco sem saída, o arrependimento é uma estrada transitável. O remorso olha só para os nossos pecados, o arrependimento olha para além dos nossos pecados – para o Calvário. O remorso nos devolve para nós mesmos; o arrependimento nos faz voltar para Deus. O remorso nos faz odiar a nós mesmos; muito embora possamos ao mesmo tempo amar nossos pecados; o arrependimento nos leva a odiar nossos pecados e a amar nosso Senhor num único ato. O remorso é a tristeza do mundo que “produz morte”; o arrependimento é a “tristeza segundo Deus e conduz à salvação”. Por Raimundo de Oliveira, As Grandes Doutrinas Bíblicas. pág. 224.

         A fé é o aspecto positivo da verdadeira conversão, ao lado humano de regeneração. Pelo arrependimento, o pecador abandona o pecado; pela fé ele se volta para Cristo. Mas o arrependimento e a fé são inseparáveis e paralelos. O verdadeiro arrependimento não pode existir à parte da fé, nem a fé à parte do arrependimento. Tem-se dito que o arrependimento á e fé em ação, e que a fé é o arrependimento em repouso.

A. A importância da fé

         Praticamente em quase todos os relacionamentos com Deus, a fé é o ponto culminante nesta relação.

         A Escritura declara que somos salvos pela fé (At 16:31; Ef 2:8; Rm 5:1); enriquecidos com o Espírito pela fé      (Gl 3.5,14); santificados pela fé (At 26.18); guardados pela fé (I Pe 1.5; Rm 11.20; II Co 1.24; I Jo 5.4); estabelecidos pela fé (Is 7.8); curados pela fé (Tg 5.15; At 14.9); andamos pela fé (II Co 5.7). A fé é necessária para agradar a Deus (Hb 11.6), a descrença é considerada um grande pecado (Jo 16.9), e muitas vezes é um empecilho à manifestação do poder de Deus (Mc 6.5,6).

B. O significado da fé

         Pensamento: “Fé no sentido bíblico significa crer e confiar. É o assentimento do intelecto com o consentimento da vontade. Quando ao intelecto, consiste na crença de certas verdades reveladas concernentes a Deus e a Cristo; quanto à vontade, consiste na aceitação dessas verdades como princípios e diretrizes da vida. A fé intelectual não é o suficiente (Tg 2.19; At 8.13,21) para adquirir a salvação. É possível dar seu assentimento intelectual ao evangelho sem, contudo, entregar-se a Cristo. A fé oriunda do coração é o essencial (Rm. 10.9). Fé intelectual significar reconhecer como verídicos os fatos do evangelho; fé provinda do coração significa a pronta dedicação da própria vida às obrigações implícitas nesses fatos. Fé, no sentido de confiança, implica também o elemento emocional. Por conseguinte, a fé que salva representa um ato da inteira personalidade, que envolve o intelecto, as emoções e a vontade.

         O significado da fé determina-se pela maneira como se emprega a palavra no original grego. Fé, às vezes, significa não somente crer em um corpo de doutrina, mas, sim, crer em tudo quanto é verdade, como por exemplo, nas seguintes expressões: “anuncia agora a fé que antes destruía” (Gl 1.23); “apostatarão alguns da fé” (I Tm 4.1); “A batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos” (Jd 8). Essa fé é denominada, às vezes, “fé objetiva” ou externa. O ato de crer nessas verdades é conhecida como fé subjetiva.

         Seguida por certas preposições gregas a palavra “crer” exprime a idéia de repousar ou apoiar-se sobre um firme fundamento; é o sentido da palavra crer que se lê no evangelho de João 3.16. Seguida por outra preposição, a palavra significa a confiança que faz unir a pessoa ao objeto de sua fé. Portanto, fé é elo de conexão entre a alma e Cristo.

         A fé é atividade humana ou divina? O fato de que ao homem é ordenado crer implica capacidade e obrigação de crer. Todos os homens têm a capacidade de depositar a sua confiança em alguém e em alguma coisa. Por exemplo: um deposita sua fé em riqueza, outro no homem, outro em amigos, etc. Quando a crença é depositada na Palavra de Deus, e a confiança está em Deus e em Cristo, isto constitui fé que salva. Contudo, reconhecemos a graça do Espírito Santo, que ajuda, em cooperação com a Palavra, na produção desta fé  (vide Jo 6.44; Rm 10.17: Gl 5.22; Hb 12.2).

         “Pela expressão ‘fé salvadora’ não pretendemos enunciar uma espécie diferente de fé, mas a mesma fé considerada como condição e instrumento para a salvação. Vimos que o elemento principal da fé é confiança; donde se conclui que a fé salvadora é confiança pessoal na pessoa do Salvador. A causa eficiente desta fé é a operação do Espírito Santo e a causa instrumental é a revelação da verdade referente à necessidade e à possibilidade da salvação. Com respeito à fé salvadora João Wesley declarou: “A fé é uma evidência divina e uma convicção não só de que ‘Deus estava em Cristo, reconciliando consigo o mundo’ mas ainda de que o próprio Cristo me amou e se deu a si mesmo por mim”.

         As Escrituras apresentam a fé como concessão da graça de Deus, e também salientam a respectiva responsabilidade humana, o que ela empresta aspecto tanto divino como humano.

a) Pelo lado divino, (originada de Deus).

b) Deus Pai: sua fonte originadora. Rm 12.3; I Co 2.4,5.

c) Deus Filho: sua fonte medianeira. Hb 12.2; Lc 17.5.

d) Deus Espírito Santo: sua fonte capacitadora. I Co 12.4,,8,9; Gl 5.22,23.

e) Pelo lado humano: assegurada pelo uso de certos meios geradores.

f) A Palavra de Deus ouvida e entendida. Rm 10:17; At. 4:4.

g) Olhando para Jesus. Hb 12.2; Lc 17:5.

h) Orando. Mc 9.24; Lc 17.5; 22.32.

i) Procura o motivo certo. Jo 5.44.

C. Os Resultados da Fé

a) Salvação (inicial). Ef 2.8-10

b) Perdão. At 10.43.

c) Justificação. Rm 5:1.

d) Filiação a Deus. Gl 3.26; Jo 1.12.

  1. Vida eterna. Jo 20.31.
  2.  Participação da natureza divina. II Pe 1.4.
  3. Presença de Cristo no íntimo. Ef 3.17.

 

CONVERSÃO

Definição

         O termo “conversão” literalmente significa “virar-se para direção oposta”; abandonar o pecado e aproximar-se de Deus. (At 3:19). O termo é usado para exprimir tanto o período crítico em que o pecador volta aos caminhos da justiça como também para expressar o arrependimento de alguma transgressão por parte de quem já se encontra nos caminhos da justiça. (Mt 18.3; Lc 22.32; Tg 5.20 ).

         Embora nitidamente ligada ao arrependimento, a conversão difere dele, uma vez que o arrependimento enfatiza o aspecto negativo do abandono ou saída do pecado, enquanto que a conversão enfatiza o aspecto positivo da volta para Cristo.

         O arrependimento nos retira de todos os amores ou inclinações pecaminosas, enquanto que a conversão nos faz voltar para o esposo. O arrependimento produz tristeza pelo pecado, já a conversão produz alegria por causa do perdão e livramento da pena do pecado.

         O arrependimento nos leva à cruz; a conversão nos leva ao túmulo vazio do Salvador ressuscitado. A conversão fala do abandono da vida de pecado para abraçar a vida real e verdadeira oferecida por Deus através de Jesus Cristo.

         “A verdadeira conversão envolve dois atos da parte do pecador: 1. Dar as costas ao “eu” e ao pecado. 2. Crer em Deus, voltando-se para Ele e abraçando a vida eterna. Se a pessoa não se chega a Deus, buscando-o, a conversão é incompleta. O simples fato de rejeitar o pecado, resulta somente numa reforma humana provisórias e não em transformação divina e plena”. A.D.

 

 

                                                        Pr Francisco Nascimento

 

Obs: Esse é um trabalho de pesquisa que aglutina os melhores pensadores sobre as doutrinas de Teologia Sistemática

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s