MARCA DA CRUZ


cruz

Então, ouvi que gritava em alta voz, dizendo: Chegai-vos, vós executores da cidade, cada um com a sua arma destruidora na mão.  Eis que vinham seis homens a caminho da porta superior, que olha para o norte, cada um com a sua arma esmagadora na mão, e entre eles, certo homem vestido de linho, com um estojo de escrevedor à cintura; entraram e se puseram junto ao altar de bronze. A glória do Deus de Israel se levantou do querubim sobre o qual estava, indo até à entrada da casa; e o SENHOR clamou ao homem vestido de linho, que tinha o estojo de escrevedor à cintura, e lhe disse: Passa pelo meio da cidade, pelo meio de Jerusalém, e marca com um sinal a testa dos homens que suspiram e gemem por causa de todas as abominações que se cometem no meio dela.  Aos outros disse, ouvindo eu: Passai pela cidade após ele; e, sem que os vossos olhos poupem e sem que vos compadeçais, matai; matai a velhos, a moços e a virgens, a crianças e a mulheres, até exterminá-los; mas a todo homem que tiver o sinal não vos chegueis; começai pelo meu santuário.” Ezequiel 9:1-6

Essa profecia foi escrita enquanto o profeta Ezequiel estava no exílio na Babilônia, longe de sua pátria, Jerusalém. O povo de Israel estava sofrendo uma dura punição por ter se afastado de Deus, e sofria as terríveis conseqüências que a própria lei de Deus decretava para os desobedientes.

O profeta havia reunido os anciãos e alguns líderes religiosos, para orarem e se lamentarem por toda aquela situação de sofrimento que passava.

Creio que uma das perguntas que os líderes faziam era do porquê do sofrimento tão intenso que estavam passando, sendo escravos e prisioneiros de uma nação tão perversa, os caudeus.

Foi em uma dessas reuniões de lamentação, que o profeta Ezequiel teve uma visão de Deus, sendo levado em Espírito até o restante do povo de Israel que ficara em Jerusalém. “Estendeu ela dali uma semelhança de mão e me tomou pelos cachos da cabeça; o Espírito me levantou entre a terra e o céu e me levou a Jerusalém em visões de Deus, até à entrada da porta do pátio de dentro, que olha para o norte, onde estava colocada a imagem dos ciúmes, que provoca o ciúme de Deus.(cap. 8:3).

Deus queria mostrar ao profeta Ezequiel e aos outros, do porquê de sua ira e indignação com seu povo, e da razão de exercer um juízo tremendo sobre Israel. A sua paciência se esgotava, restava agora o juízo e a justiça para um povo que não se arrependia de seus pecados.

São 4 visões no cap. 8 que enfatizam a profanação contra Deus, no próprio templo, que fora separado para sua adoração.

A primeira visão mostra a idolatria do povo representada pela uma imagem de Astarte. (cap. 8:3) Postada bem na entrada da porta do pátio de dentro do templo, essa imagem era conhecida como imagem dos ciúmes, que provocava a ira de Deus. Astarte (A vênus de Síria) ou “ Asherah” poste sagrado. Substituindo a ‘Glória de Deus’ (Shekinah)  que estava no templo por uma imagem horrendo, provocando assim a ira de Deus sobre o povo.

A segunda visão que o profeta tem é que no átrio interior em um lugar secreto, setenta lideres, sacerdotes de Israel, realizavam um culto secreto a todo tipo de ídolos de animais e répteis em forma de figuras na parede do templo: “Disse-me: Entra e vê as terríveis abominações que eles fazem aqui.  Entrei e vi; eis toda forma de répteis e de animais abomináveis e de todos os ídolos da casa de Israel, pintados na parede em todo o redor. Setenta homens dos anciãos da casa de Israel, com Jazanias, filho de Safã, que se achava no meio deles, estavam em pé diante das pinturas, tendo cada um na mão o seu incensário; e subia o aroma da nuvem de incenso. (capítulo 8: 9-11) Dentre eles, Jazanias, o sumo-sacerdote, o principal líder religioso.

O pior vinha daquilo que eles verbalizavam, dizendo que Deus não enxergava os pecados e havia abandonado a terra. Então, me disse: Viste, filho do homem, o que os anciãos da casa de Israel fazem nas trevas, cada um nas suas câmaras pintadas de imagens? Pois dizem: O SENHOR não nos vê, o SENHOR abandonou a terra.” Ezequiel 8:12

Esses líderes deveriam ser os primeiros  a serem exemplos de adoração ao Deus único e verdadeiro, agora se prostravam a imagens diabólica, prestando-lhe culto. Que vergonha!

A terceira visão mostrava as mulheres dentro do templo assentadas chorando a Tamuz, cujo culto se celebrava em meios às orgias imorais. “Levou-me à entrada da porta da Casa do SENHOR, que está no lado norte, e eis que estavam ali mulheres assentadas chorando a Tamuz.” (vs 14). Tamuz era um deus dos sumérios conhecido com Dumuzi e pelos egípcios como Osíris. Tamuz tinha como companheira Asterote, a rainha dos céus (Jeremias 44:17) – Ishatar para os acádios e Inanna para os sumérios. Antigos Babilônios usavam cruzes como símbolos na adoração do deus da fertilidade, Tamuz.

Na quarta visão, Ezequiel ver na entrada do templo, entre o pórtico e o altar, lugar que deveria ser de adoração do único Deus verdadeiro, havia vinte cinco homens, de costas para o templo do Senhor, com os rostos virados para o oriente, adorando o sol. Levou-me para o átrio de dentro da Casa do SENHOR, e eis que estavam à entrada do templo do SENHOR, entre o pórtico e o altar, cerca de vinte e cinco homens, de costas para o templo do SENHOR e com o rosto para o oriente; adoravam o sol, virados para o oriente.” (vs 16) II Crônicas 29:6.

As idolatrias cometidas por Israel eram tamanha, que são descritas como grandes abominações, terríveis abominações, maiores abominações. Capítulo 8:6,9,13,15,17

Deus disse para Ezequiel: Então, me disse: Vês, filho do homem? Acaso, é coisa de pouca monta para a casa de Judá o fazerem eles as abominações que fazem aqui, para que ainda encham de violência a terra e tornem a irritar-me? Ei-los a chegar o ramo ao seu nariz.” Vs 17

JUÍZO DE DEUS SOBRE OS IDÓLATRAS

Quando trocamos a “Glória de Deus” pelos ídolos, o juízo é inevitável.  Toda a nação de Israel havia se contaminada pela idolatria incentivada pelos líderes, e Deus manifestou o seu juízo começando por Jerusalém.

Seis anjos foram enviados da parte de Deus cujo propósito era de levar mortes: de velhos, moços, virgens, crianças, mulheres, homens. Esse juízo deveria começar pelo santuário. A ordem era para não terem compaixão. Eis que vinham seis homens a caminho da porta superior, que olha para o norte, cada um com a sua arma esmagadora na mão, e entre eles, certo homem vestido de linho, com um estojo de escrevedor à cintura; entraram e se puseram junto ao altar de bronze.” Ap 9:2

Dentre os seis anjos destruidores havia um anjo diferente, vestido de linho com um estojo de escrevedor à cintura. Sua missão era de fazer uma marca nos homens e mulheres que não compactuavam, não concordavam com os muitos pecados cometidos em Israel, e por isso gemiam e suspiravam buscando de Deus livramento de juízo. “…e lhe disse: Passa pelo meio da cidade, pelo meio de Jerusalém, e marca com um sinal a testa dos homens que suspiram e gemem por causa de todas as abominações que se cometem no meio dela. Aos outros disse, ouvindo eu: Passai pela cidade após ele; e, sem que os vossos olhos poupem e sem que vos compadeçais, matai; matai a velhos, a moços e a virgens, a crianças e a mulheres, até exterminá-los; mas a todo homem que tiver o sinal não vos chegueis; começai pelo meu santuário.” Cap 9:4-6 (I Pedro 4:17)  começando o juízo pela casa de Deus.

A ordem vinda de Deus diante do altar de bronze, símbolo de justiça divina era de que essa marca deveria distinguir o justo do ímpio, o santo do profano, o crédulo do incrédulo, livrando do juízo de morte os que temiam a Deus.

Quando os anjos chegaram junto ao altar de bronze, a “Glória do Deus” de Israel se levantou e falou ao anjo escrevedor:  “ passa pelo meio de Jerusalém, cidade, e no meio da cidade. ( vs 4), e “marca”  “em forma cruz” com um sinal a testa dos homens que suspiram e gemem por causa de todas as abominações que se cometem no meio dela. A todos matarás, mas quem tiver este sinal na sua fronte não vos chegareis.”

Mas o pior que poderia acontecer com Israel realizou-se depois que saiu o decreto de juízo, a  “glória de Deus” (Shekinah) se afastou  do templo e foi para o céus. Ezequiel 10:18

Quando a presença de Deus abandona uma vida, uma nação e um templo, não há mais como evitar o juízo iminente. Salmo 51:11; Êxodo 33:15

SER DIFERENTE EM MEIO A UMA MULTIDÃO DE IGUAIS

Como é bom ser diferente, no meio de uma nação infestada pelo pecado, pela idolatria, pela comunhão com o mal?

Em Jerusalém no tempo do juízo havia uma pequena parte, talvez insignificante para muitos, mas que temia a Deus e guardava seus mandamentos. Dentre essa minoria, estava o profeta Ezequiel.

Essa minoria, talvez tenha sido estigmatizada como fanática e louca, pois era fiel a Deus. No dia do juízo, Deus se lembrou dela e a preservou de morte.

A salvação veio através de uma marca feita na testa, livrando assim, de juízo iminente.

Jesus  falou que  a porta do reino é estreita e são poucos que passam por ela. O texto é claro, uma grande multidão buscará a porta e o caminho largo, que o mundo e o inimigo oferecem. Entrai pela porta estreita (larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela),  porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que acertam com ela.” Mateus 7:13,14.

Como precisamos de pessoas diferentes, que não se conformem com o pecado, que gemam e chorem pelos muitos pecados cometidos em nossa  nação. “Rogo-vos, pois irmãos, pelas misericórdias de Deus que apresenteis vossos corpos por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis com este século, mais transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.” Romanos 12:1,2

MARCA DO LIVRAMENTO

A marca da cruz é o que faz diferença entre o justo e  injusto, dos que temem a Deus, e dos que não temem, dos salvos e dos perdidos. Então, os que temiam ao SENHOR falavam uns aos outros; o SENHOR atentava e ouvia; havia um memorial escrito diante dele para os que temem ao SENHOR e para os que se lembram do seu nome. Eles serão para mim particular tesouro, naquele dia que prepararei, diz o SENHOR dos Exércitos; poupá-los-ei como um homem poupa a seu filho que o serve. 18 Então, vereis outra vez a diferença entre o justo e o perverso, entre o que serve a Deus e o que não o serve.” Malaquias 3: 16-18

Necessitamos desta marca porque sem ela evidenciamos um coração rebelde, pecador, afastado de  Deus. Sem a marca somos como a grande multidão de pecadores que aplaudem o pecado, e se conforma com a natureza pecaminosa social, sem referencial cristão, que a cada dia provoca a ira de Deus. Por isso, quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus.” João 3:36; AP 6:9.

Sem a marca, estamos condenados à falência espiritual, ao divorcio eterno de Deus, a morte eterna.

Sem a marca da cruz só nos resta tormentos e dores. Ais e mais ais que estão para cair sobre a humanidade pecadora, sobre os que se associam, compactuam com o pecado.

Sem a marca, perdemos, aqui na terra, a presença de Deus, a paz, o perdão, a alegria de ter a salvação.

Sem ela, perdemos uma vida eterna na presença de Deus nos céus, com os remidos, os que um dia foram lavados com o sangue de Cristo.

Em João 3: 14, 15 diz: “E do modo por que Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do Homem seja levantado, 15 para que todo o que nele crê tenha a vida eterna.”

A cruz foi erguida, resta agora olharmos com fé para ela para sermos salvos, livres do pecado e da condenação eterna.

A cruz precisa ser selada em nossas frontes, em nossas mentes, almas para fazer a diferença, mostrar a humanidade que somos propriedade exclusiva de Deus, povo comprado e lavado com o sangue da cruz.

Em breve, Deus exercerá juízo sobre a face da terra. A ira do Senhor chegará ao seu limite.

Há um povo que está sendo marcado por Deus, o selo do Espírito em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa;  o qual é o penhor da nossa herança, ao resgate da sua propriedade, em louvor da sua glória. “(Efésios 1:13,14) e é essa marca fará a diferença no dia do juízo, pois certamente haverá separação entre o justo do injusto.

Se você sabe que a sua vida está em pecado, arrependa-se e receba o selo de Deus. ( EF 1:13) AP 7:2,3; 14:1; 9:4.

Vale apenas ser diferente, para não ser confundido com a multidão de rebeldes.

A pior coisa que pode acontecer na vida de um homem é perder a glória de Deus, a salvação eterna. “ Então saiu a glória do Senhor da entrada da casa, e parou sobre os querubins. Ezequiel 10:18.

Os marcados pela cruz têm o privilégio de viver essa “Glória de Deus”, já nessa vida e desfrutar de sua plenitude no porvir.

Pr Francisco Nascimento

Anúncios

Um comentário sobre “MARCA DA CRUZ

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s